PGR contesta Gilmar e quer condução coercitiva de volta

0
18
_IDA9326.JPG BRASILIA BSB DF 20 09 2017 POLITICA STF / RAQUEL DODGE / PGR - Sessão plenaria do Supremo Tribunal Federal presididia pela presidente minstra Carmen Lucia e primeira sessao da nova procuradora geral da Republica Raquel Dodge. Na pauta do STF esta o julgamento da segunda denuncia contra o presidente Michel Temer. A corte decide se o pedido segue para a Camara dos Deputados e se as provas oferecidas na delação da JBS (J&F) são validas. FOTO:DIDA SAMPAIO/ESTADAO

Raquel Dodge recorreu da decisão de Gilmar Mendes que proibiu, em liminar concedida em dezembro de 2017, a condução coercitiva de investigados para interrogatório em todo o país.

Gilmar concedeu a liminar a pedido do PT. O partido alegou que a condução coercitiva afronta a liberdade individual e a garantia de não autoincriminação, asseguradas na Constituição.

Para a PGR, os dois tipos de condução coercitiva previstos em lei –no curso da ação penal e na fase investigatória– não ferem os direitos constitucionais fundamentais.

As medidas, argumenta Dodge, inserem-se no “devido processo legal constitucional, ao garantir ao Estado o cumprimento do seu dever de prestar a atividade de investigação e instrução processual penal de forma efetiva e no tempo razoável”.

 

Com O Antagonista

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here